sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Parcerias estratégicas



China e Djibouti estabelecerão parceria estratégica
2017-11-24 12:27:18portuguese.xinhuanet.com







Beijing, 24 nov (Xinhua) -- A China e Djibouti concordaram na quinta-feira estabelecer uma parceria estratégica para fortalecer a cooperação integral.

Os dois países fizeram a declaração depois que o presidente chinês, Xi Jinping, realizou conversações com o presidente de Djibouti, Ismail Omar Guelleh, no Grande Palácio do Povo no centro de Beijing.

Guelleh é o primeiro chefe de Estado de um país africano que visita a China desde a conclusão do 19º Congresso Nacional do Partido Comunista da China (PCC), realizado em outubro passado.

Xi assinalou que a China outorga grande importância às relações com Djibouti e disse que os dois países sempre se trataram com igualdade e demonstraram respeito e apoio um ao outro desde o estabelecimento das relações diplomáticas há 38 anos.

A China está disposta a trabalhar com Djibouti para acelerar a implementação dos resultados da Cúpula de Johannesburgo do Fórum de Cooperação China-África, avançar conjuntamente na construção do Cinturão e Rota e fortalecer a cooperação bilateral em todos os setores, disse Xi.

Beijing dá as boas-vindas à participação de Djibouti da construção do Cinturão e Rota e está disposta a impulsionar a cooperação em projetos de infraestrutura, incluindo ferrovias, portos, aquedutos e gasodutos para gás natural liquidificado, assim como na cooperação em agricultura e a construção de uma zona de livre comércio, acrescentou o mandatário do país asiático.

Por sua parte, Guelleh, que realiza uma visita de Estado em Beijing de quarta-feira a sexta-feira, disse sentir prazer de ser o primeiro líder de um país africano em visitar a China depois do 19º Congresso Nacional do PCC e felicitou Xi por sua reeleição como secretário-geral do Comitê Central do PCC.

Guelleh, que descreveu Djibouti como "um bom amigo da China", assegurou que seu país vê a China como uma máxima prioridade e como um parceiro indispensável.
Expressou sua satisfação com o desenvolvimento dos laços bilaterais ao longo das três últimas décadas e agradeceu à China sua assistência e apoio a Djibouti.

O país africano está disposto a participar ativamente da Iniciativa do Cinturão e Rota e a fortalecer a cooperação com a China em infraestrutura e outras áreas importantes para a vida da população, acrescentou.

Guelleh assinalou que seu país aprecia a participação ativa da China nos esforços de manutenção da paz da Organização das Nações Unidas (ONU) e na luta contra a pirataria internacional, e agradeceu à China seu papel para manter a paz e a prosperidade no mundo.

A China fez contribuições duradouras à segurança e ao desenvolvimento na África incluindo nos dias em que a própria China era pobre, comentou Guelleh, reiterando que Djibouti se adere à política de Uma Só China e acrescentando que está encantado de ver a China recuperar seu devido status no mundo e que trabalhará estreitamente com a China em assuntos multilaterais.

"Quaisquer que sejam as mudanças que pudessem ocorrer no desenvolvimento da China e no panorama internacional, a China está de lado dos países em desenvolvimento, incluindo os países africanos e será seu amigo sincero e seu parceiro confiável", afirmou Xi.

O presidente chinês pediu às duas partes que mantenham os intercâmbios de alto nível e expandam a cooperação entre os dois governos, as instituições legislativas, os partidos políticos e os governos locais dos dois países. Além disso, pediu às duas partes a compartilhar experiências em governança e desenvolvimento e apoiar-se um ao outro em assuntos relacionados com seus interesses fundamentais e principais preocupações.

A China continuará ajudando Djibouti a melhorar seu sistema de saúde e aprofundará a cooperação em recursos humanos, assim como nos intercâmbios entre povos, disse Xi.
"A China apoia o papel de Djibouti nos assuntos internacionais e regionais e trabalhará com ele na comunicação sobre a Agenda 2030 para Desenvolvimento Sustentável e paz e segurança na África".

Xi disse que espera que os dois países trabalhem juntos para proteger seus próprios interesses e os de outros países em desenvolvimento e que tenham um papel construtivo para defender a paz e a estabilidade no Corno da África.

Depois das conversações, os dois países assinaram acordos para cooperar em economia, assuntos técnicos e agricultura.

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Expansão chinesa



Montadora chinesa construirá monotrilho no Egito
2017-10-25 10:55:14portuguese.xinhuanet.com 








Shenzhen, 24 out (Xinhua) -- A montadora chinesa BYD anunciou na terça-feira que planeja construir um sistema de trânsito de monotrilho no Egito, a segunda maior encomenda de monotrilho no exterior da companhia.

A empresa, com sede em Shenzhen, assinou recentemente um acordo com o governo de Alexandria, uma cidade litorânea no Egito, para construir um monotrilho com 128 quilômetros, informou a companhia.

O custo e outros detalhes do projeto não foram revelados.

A montadora gastou cerca de 5 anos e 5 bilhões de yuans (US$ 750 milhões) para desenvolver o sistema chamado Yungui (Skyrail). Os trens de monotrilho podem correr a uma velocidade máxima de 80 km/h.

Comparado com um sistema de metrô, um monotrilho necessita de apenas um quinto dos custos e um terço do tempo de construção, segundo a BYD.

"A BYD começou a produzir e vender veículos de passageiro no Egito muitos anos atrás. Quase um terço dos táxis no Cairo são feitos pela BYD. Nossa popularidade, confiabilidade dos produtos e experiência manufatureiras locais tornaram esta nova encomenda possível", disse Huang Zhixue, gerente-geral da Divisão de Vendas de Automóvel no Oriente Médio e na África da BYD.

Não foi o primeiro contrato de monotrilho que a BYD obteve no mercado exterior.

Em agosto, a companhia anunciou que vai construir um monotrilho na cidade filipina de Iloilo e espera que a primeira fase do sistema de monotrilho com 20 quilômetros entre em operação em 2019.

Além dos contratos no exterior, a companhia assinou acordos com mais de 10 cidades chinesas, como Yinchuan, Guilin e Shantou, para construir o sistema de monotrilho.

O primeiro monotrilho do tipo entrou em operação em Yinchuan, capital da Região Autônoma da Etnia Hui de Ningxia, noroeste da China.


terça-feira, 3 de outubro de 2017

Angola e seus politicos



Carros de luxo para deputados angolanos
maio 24, 2017
  • Coque Mukuta

Assembleia Nacional Luanda





Oposição demarca-se da decisão de gastar mais de 77 milhões de dólares. O Governo angolano vai gastar mais de 77 milhões de dólares na compra de carros de luxo para os deputados da Assembleia Nacional. A decisão consta de um despacho do Parlamento, da qual a oposição demarca-se.


O despacho nº. 3/17 da Assembleia Nacional delega competência ao secretário geral daquele orgão para comprar viaturas de marca Lexus, modelo LX 570, de 2017, para os deputados da IV Legislatura da Assembleia Nacional, no valor de 12.934.500.000 de kwanzas (cerca de 77 milhões de dólares).

O valor é superior ao montante destinado pelo Orçamento Geral do Estado a oito hospitais provinciais ou à construção de 78 escolas de 12 salas de aulas cada.

A decisão tem provocado reacções em vários sectores da sociedade angolana.

Salvador Freire, advogado e presidente da associação Mãos Livres, afirma que este acto mostra claramente a posição dos deputados angolanos.

Para Freire, os deputados angolanos deviam rejeitar as referidas aquisições.
“Eles deviam ver a contenção de verbas porque o país está parado e este acto em nada contribui para o enriquecimento do país”´, defendeu Freir.

“Não é lógico, não é ético, não é compreensível que os nossos deputados assim se comportem porque isto demonstra que estão aí para usufruírem de bens pessoais, para terem uma vida regalada e não fazem aquilo que deviam fazer”, acusa aquele activista, para quem a notícia “é triste para a sociedade, triste para nossa governação e triste para os nossos representantes na Assembleia Nacional”.


Lexus, luxo criticado

Contactado pela VOA, o presidente do grupo parlamentar da CASA-CE, André Mendes de Carvalho “Miau”, afirmou que a informação não é do conhecimento dos deputados do seu partido e, por isso, não sabe se vão ou não receber as viaturas.

“Até hoje a nossa bancada não escolheu marcas de carro”, garantiu, adiantando que "quando se abordou esta matéria o que nós dissemos, é que atendendo à condição das estradas do país, deveriam ser jeeps e não carros ligeiros”.

Sem responder se os deputados da UNITA vão receber ou não as viaturas, o presidente do grupo parlamentar do partido do "galo negro" Adalberto Costa Júnior adiantou que a sua bancada já protestou contra a compra dos carros que hoje usam e não concorda que sejam adquiridos carros de luxo para os próximos deputados.

“A UNITA não tem nada a ver com esta questão e essa é uma matéria ligada à Assembleia Nacional", sublinhou.

“Posso dizer que o grupo parlamentar da UNITA já questiono, no decurso da actual legislatura, o modo como foram adiquiridos os actuais Lexus”, garantiu da Costa Júnior. Não foi possível falar com ninguém do MPLA.