terça-feira, 3 de outubro de 2017

Angola e seus politicos



Carros de luxo para deputados angolanos
maio 24, 2017
  • Coque Mukuta

Assembleia Nacional Luanda





Oposição demarca-se da decisão de gastar mais de 77 milhões de dólares. O Governo angolano vai gastar mais de 77 milhões de dólares na compra de carros de luxo para os deputados da Assembleia Nacional. A decisão consta de um despacho do Parlamento, da qual a oposição demarca-se.


O despacho nº. 3/17 da Assembleia Nacional delega competência ao secretário geral daquele orgão para comprar viaturas de marca Lexus, modelo LX 570, de 2017, para os deputados da IV Legislatura da Assembleia Nacional, no valor de 12.934.500.000 de kwanzas (cerca de 77 milhões de dólares).

O valor é superior ao montante destinado pelo Orçamento Geral do Estado a oito hospitais provinciais ou à construção de 78 escolas de 12 salas de aulas cada.

A decisão tem provocado reacções em vários sectores da sociedade angolana.

Salvador Freire, advogado e presidente da associação Mãos Livres, afirma que este acto mostra claramente a posição dos deputados angolanos.

Para Freire, os deputados angolanos deviam rejeitar as referidas aquisições.
“Eles deviam ver a contenção de verbas porque o país está parado e este acto em nada contribui para o enriquecimento do país”´, defendeu Freir.

“Não é lógico, não é ético, não é compreensível que os nossos deputados assim se comportem porque isto demonstra que estão aí para usufruírem de bens pessoais, para terem uma vida regalada e não fazem aquilo que deviam fazer”, acusa aquele activista, para quem a notícia “é triste para a sociedade, triste para nossa governação e triste para os nossos representantes na Assembleia Nacional”.


Lexus, luxo criticado

Contactado pela VOA, o presidente do grupo parlamentar da CASA-CE, André Mendes de Carvalho “Miau”, afirmou que a informação não é do conhecimento dos deputados do seu partido e, por isso, não sabe se vão ou não receber as viaturas.

“Até hoje a nossa bancada não escolheu marcas de carro”, garantiu, adiantando que "quando se abordou esta matéria o que nós dissemos, é que atendendo à condição das estradas do país, deveriam ser jeeps e não carros ligeiros”.

Sem responder se os deputados da UNITA vão receber ou não as viaturas, o presidente do grupo parlamentar do partido do "galo negro" Adalberto Costa Júnior adiantou que a sua bancada já protestou contra a compra dos carros que hoje usam e não concorda que sejam adquiridos carros de luxo para os próximos deputados.

“A UNITA não tem nada a ver com esta questão e essa é uma matéria ligada à Assembleia Nacional", sublinhou.

“Posso dizer que o grupo parlamentar da UNITA já questiono, no decurso da actual legislatura, o modo como foram adiquiridos os actuais Lexus”, garantiu da Costa Júnior. Não foi possível falar com ninguém do MPLA.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Nova maçã no pedaço



Apple confirma, acidentalmente, nome e principais novidades do novo iPhone
A empresa vai anunciar seus novos smartphones nesta terça-feira (12)
Por Júlia Miozzo  11 set, 2017 09h33 









SÃO PAULO – No último domingo (10), a apenas dois dias do anúncio oficial do novo iPhone, a Apple deixou escapar detalhes importantes sobre o próximo smartphone e também confirmou, acidentalmente, qual será o nome dos novos dispositivos: iPhones 8, 8 Plus e iPhone X, este último comemorativo aos dez anos do celular.

O que aconteceu foi que a empresa disponibilizou a versão final do iOS 11, que também será apresentado nesta terça-feira (12). Com a atualização liberada, foi possível confirmar os principais rumores e expectativas sobre o iPhone X: ele não contará com o botão Home, terá um display OLED de ponta a ponta e contará com o recurso Face ID, que usará o reconhecimento facial para desbloquear o celular.

https://t.dynad.net/pc/?dc=5550003220;ord=1505212844504https://t.dynad.net/pc/?dc=5550003219;ord=1505212848375
De acordo com John Gruber, analista que sempre tem informações antecipadas sobre o iPhone, as suspeitas são de que o vazamento de informações foi feito por um funcionário da Apple.

Era possível fazer a atualização do iOS através de um link que poderia ser aberto somente por quem o recebesse – ou seja, inalcançável para as demais pessoas – e que foi enviado diretamente a sites como o 9to5Mac e Macrumors. Estes estão entre os sites mais conhecidos por antecipar informações que envolvem a Apple e seus produtos.

Entre outras novidades que os novos iPhones terão estão o modo “retrato Lighting” para câmera. Ele vai permitir que o usuário fotografe retratos com diversas opções de luz e luminosidade, melhorando a qualidade da imagem de acordo com o local e horário em que ela foi tirada.

Além disso, a extinção do botão de home vai atribuir novas funções ao botão lateral do dispositivo: se o botão for segurado, ele convocará a Siri, por exemplo.

A Apple não pronunciou-se sobre os vazamentos. O evento em que vai anunciar oficialmente o iPhone 8, 8 Plus e X acontece amanhã, na nova sede da empresa, às 14h. Acompanhe o InfoMoney para não perder nenhuma informação.

O brasileiro Guilherme Rambo foi um dos que conseguiu atualizar seu iPhone com o novo iOS e publicou vídeos de como é o novo sistema operacional, como funciona o desbloqueio por reconhecimento facial e outros detalhes. 

sábado, 12 de agosto de 2017

Confiança no cidadão, é a diferença. Eternidade, Holanda!



A Holanda é o pesadelo da classe média brasileira e da família de bem


By Carta Campinas / in Geral, Manchete / on sexta-feira, 11 ago 2017 04:20 PM / 7 Comments

 

Holanda: o pesadelo da classe média brasileira e da família de bem
Por Paulo Paganini
Dizem que o sonho de toda classe média brasileira é ser parte da Europa. Mas há ao menos uma exceção: a Holanda. A Holanda é o pesadelo da classe média brasileira e da família de bem.

Imaginem a reação desta classe ao descobrir que toda família recebe uma bolsa por filho para que tenham acesso à cultura e à arte. “Que absurdo!”, diriam. “Bolsa para sustentar vagabundo? Coisa de petista que mama na Lei Rouanet e agora quer dar acesso para pobre?”. “Porque o filho de uma amiga conhece um rapaz que tem um tio que viu um cara bebendo num bar. Certeza que era com essa bolsa esmola!”

Sobre a educação de qualidade e universal, a classe média, aquela que mora nos Jardins, iria amar ver seus filhos estudando ao lado de filhos e filhas de pessoas que trabalham com faxina, construção, caixa de supermercado. “Como este governo ousa misturar minha família com serviçais?”

E a prostituição? O governo holandês regulamentou a prostituição. Se fosse no Brasil, isso causaria pânico, desespero, perda de cabelo, urticária e siricutico nas pessoas de bem. “O que vou dizer ao meu filho quando ele ver uma moça numa vitrine oferecendo serviços sexuais em plena luz do dia?” Embora reconheço que existem diversos problemas relacionados a esta pauta e que valeriam para um outro texto, certamente a família “cristã” tradicional brasileira iria à loucura numa eventual regulamentação desta profissão.

Maconha também é regulamentada na Holanda, ao passo que pena por crimes de menor grau é branda. E eis que surgem as pessoas de bem para garantir que bandido bom é bandido morto e que “se fosse na ditabranda, isso jamais iria acontecer”. Então, lutando por dias melhores, a linda classe média demandaria a mudança certa destes pontos. “Lugar de bandido é na cadeia!”, diriam aos berros enquanto chamam a bandeira do Japão de bandeira comunista. “O favelado tem que pagar com pena dura se for pego com drogas”.

Em caso de um membro da família da classe média ser pego, eis a pena alternativa: “Ah, era apenas um cigarro. E o Afonsinho ainda é só um menino”, no auge dos seus 25 anos. “Já chamamos o advogado da família para lidar com isso. E o Afonsinho já pagou a pena dele, pois cortamos a mesada dele pela metade e cortamos também a viagem deste final de semana.” Agora imaginem esta classe média inserida num lugar onde existe regulamentações e mais regulamentações que ampliam direitos e estendem as situações de igualdade…

Ok. Até certo ponto a classe média tradicional aceitaria, ou ao menos engoliria, tais regulamentações. Mas tem uma que não dá. “O que?? Ciclovia??”. Se transposta do Brasil para a Holanda, a classe média iria à loucura ao descobrir que o carro é o último na lista de prioridades das leis de trânsito locais. Num lugar onde bicicletas, pedestres e transporte público têm prioridade em detrimento ao carro, isso seria veementemente repudiado pela família de bem. “A gente se esforça pra comprar um carro e vem esse governo comunista dar preferência para bicicleta?”

No fim das contas, a classe média brasileira e todo o leque conservador da sociedade aceitaria alguns pontos desta lista uma vez que os consome. Aceitariam, com muito custo, uma educação menos elitista e de qualidade. Aceitariam, numa situação muito hipotética, a regulamentação da prostituição após romperem com sua hipocrisia e assumir que os barões médios e os pequenos burgueses consomem este tipo de serviço. Aceitaria até mesmo a maconha circulando de forma regulamentada, e assim o Afonsinho poderia fumar tranquilamente, embora isso seja uma afronta aos bons costumes.

Mas ciclovia? Essa a classe média negaria irredutivelmente. “Não vou trocar o conforto do meu SUV por uma bicicleta. E sou livre, tenho o direito de andar com meu SUV sem ninguém me incomodar! Vão colocar ciclovia na puta que pariu, mas não aqui!! Prioridade para outros meios?? De jeito nenhum! Eles que comprem um carro. E que seja um carro decente, senão vai deixar a cidade ainda mais feia com aqueles carros baianos de pobre!”

*Não trago, e não busco trazer aqui, o debate sobre a mercantilização destas pautas e a dominação de tais mercados por grandes grupos. Busco apenas ilustrar de forma rasa o pensamento médio brasileiro, sem intuito algum de aprofundar estes pontos neste texto. (Do ONovelo)

PS do Carta Campinas: E olha que há muito mais pesadelos para se ter com a Holanda. Por exemplo, foi o primeiro país da Europa a legalizar a adoção de crianças por casais homossexuais. E também na Holanda a legislação não criminaliza a mulher  em relação ao aborto desde 1981.

E também, o mais odioso de todos os pesadelos da Holanda: o país fecha prisões por falta de bandido.